Lista de Atividades

Escola de Ciências Agrárias e Veterinárias

Departamento de Agronomia

1 – SOS Água e ambiente

Responsável: António Pirra
Descrição da atividade: Procura-se sensibilizar e informar os participantes sobre a correta utilização dos recursos hídricos, quer ao nível da utilização da água potável quer percebendo os aspetos fundamentais do tratamento de efluentes. Consiste na sensibilização prévia em sala, onde os alunos se familiarizarão com os objetivos e técnicas do tratamento de efluentes, e terminará com uma vista à ETAR da UTAD, onde se observação na prática os aspetos abordados.

 

2 – UVAS: Quando é que estão boas para fazer vinho?

Responsável: Ana Alexandra Oliveira
Descrição da atividade: Pretende-se efetuar a prova organolética de uvas e simultaneamente proceder à determinação da acidez total, grau brix e teor alcoólico provável das uvas, sensibilizando os presentes para a importância destes “passos”, na definição da data de vindima de uma parcela de vinha.

 

Departamento de Ciências Florestais e Arquitetura Paisagista

3 – As árvores e a Matemática

Responsável: Délio Sousa
Descrição da atividade: A Matemática está sempre presente nas nossas atividades diárias, embora muitas vezes não nos apercebamos. Desde o início da civilização, o Homem necessitou da Matemática para gerir as suas tarefas. Na Roma Antiga através de Pitágoras, a relação entre a Natureza e a Matemática estreitou-se mais com o desenvolvimento da Geometria.
Depois de apresentados conceitos básicos de Geometria como a forma, o volume e a superfície, através da mostra de formas naturais que nos rodeiam, os participantes irão aplicar os conceitos adquiridos, criando no terreno formas geométricas com uma determinada superfície, medindo altura de árvores, diâmetro do tronco e da copa.

 

4 – Água Viva

Responsável: Simone Varandas
Descrição da atividade: Esta atividade procurará sensibilizar os alunos participantes para a importância dos macroinvertebrados aquáticos na cadeia alimentar dos ecossistemas aquáticos e a sua importância como bioindicadores da qualidade da água. Eles incluem crustáceos, moluscos e anelídeos, mas em muitos ambientes aquáticos a maioria da comunidade de macroinvertebrados são as larvas de insetos aquáticos. Existe um grande número de espécies e apresentam uma grande variedade de formas e ciclos de vida, que ao contrário de outros organismos aquáticos, contemplam uma fase aérea. Estas comunidades são elos importantes na cadeia alimentar entre produtores (folhas, algas) e consumidores tais como peixes, e são os principais indicadores de integridade biológica dos ecossistemas aquáticos. Num troço do rio Corgo, os participantes irão identificar algumas famílias de invertebrados e associá-las a diferentes qualidades da água.

 

5 – As árvores que precisam do rio

Responsável: Simone Varandas
Descrição da atividade: Esta atividade procurará sensibilizar os participantes para a importância da vegetação ripária e das suas funções ecológicas. Esta atividade decorrerá no Parque Corgo num troço ao longo do rio Corgo. Pretende-se que os participantes identifiquem as espécies arbóreas ripícolas mais comuns dos rios do norte de Portugal. Propõe-se que haja uma descoberta dos participantes e uma consolidação de conhecimentos e uma aplicação à Engenharia Florestal.

 

Departamento de Ciências Veterinárias

6 – Resistência a antibióticos e as superbactérias. O que fazer para as combater?

Responsável: Patrícia Poeta
Descrição da atividade: Os antibióticos são medicamentos que combatem infeções causadas por bactérias e a resistência aos antibióticos surge quando estes microrganismos conseguem sobreviver ao tratamento. Diversos antibióticos são produzidos de forma natural por fungos e bactérias e durante milhares de anos as bactérias expostas a estes agentes antimicrobianos desenvolveram mecanismos de resistência que lhes permitiram sobreviver. Hoje existem superbactérias que são resistentes a todos os antibióticos disponíveis, deixando-nos a enfrentar um inimigo crescente com um arsenal cada vez mais reduzido.

 

7 – Novas Aventuras no Mundo da Infeção – Germes e Micróbios

Responsável: Ana Cláudia Coelho
Descrição da atividade: O controlo da infeção é uma responsabilidade de todas as pessoas e não apenas daqueles que trabalham em áreas da saúde. Dentro das medidas mais importantes do controlo da infeção encontra-se a higiene das mãos, visto que, as mesmas são reservatório de inúmeros agentes patogénicos. Queres saber o que está nas tuas mãos e como podes prevenir doenças? Vem descobrir.

 

8 – Os fungos comilões de pele!

Responsável: Ana Cláudia Coelho
Descrição da atividade: Existem fungos capazes de comer pele e unhas e viverem nos pés de humanos e corpo dos animais. Estes fungos são seres microscópicos e podem ser encontrados em diferentes lugares e ambientes. Estes fungos são também muito importantes na natureza. Queres conhecer os fungos que vivem nos teus pés? Vem descobrir!

 

9 – Detectives do diagnóstico. O que faz um profissional de um laboratório médico. Vem descobrir!

Responsável: Nuno Alegria
Descrição da atividade:  O que faz um profissional de um laboratório médico. Vem descobrir!
Descrição da atividade: Os laboratórios são espaços onde se fazem análises, experiências e investigação. Assim como os detectives das séries policiais também os profissionais que trabalham nos laboratórios médicos procuram e investigam as causas da doença. Ajudam a resolver causas complicadas de doença. Queres saber como? Vem descobrir.

 

10 – Vamos aprender a fazer medicamentos

Responsável: Paula Alexandra Oliveira
Descrição da atividade:  Os participantes irão fazer poções, xaropes, pílulas, creme para as mãos, sabão antisséptico e papeis tendo em conta as regras de tecnologia farmacêutica.

 

11 – Vem aprender a identificar os peixes comercializados em Portugal

Responsável: Maria da Conceição Fontes
Descrição da atividade:  Ao longo da história de Portugal, o pescado constituiu sempre uma importante fonte de abastecimento alimentar e a costa portuguesa é particularmente rica em espécies de peixes. Muitas destas espécies têm grande interesse comercial e são muito apreciadas pelos consumidores. Nesta atividade pretende-se apresentar as espécies de peixes mais comercializadas em Portugal referindo-nos a características que nos permitem facilmente identificar as diferentes espécies de peixes, de uma forma fácil e simples.

 

12 – Será que este peixe é adequado para consumo?

Responsável: Alexandra Esteves
Descrição da atividade: O pescado constituiu sempre uma importante fonte de abastecimento alimentar com características nutritivas particulares. Aprender o que distingue peixe com características de frescura adequadas para consumo daquele que já se apresenta impróprio para consumo é fundamental no âmbito da defesa da segurança alimentar. Pretende-se apresentar as características sensoriais utilizadas para classificar espécimes de pescado com características Extra, boas e impróprias para consumo. Será abordado ainda o facto de existirem espécies de pescado naturalmente tóxicos.

 

13 – O nosso corpo ao microscópio – vem descobrir como é!

Responsável: Maria de Lurdes Pinto
Descrição da atividade: O nosso corpo é um sistema complexo e harmonioso em que células diferentes se associam para formar tecidos e órgãos com funções específicas. Além das células, existem ainda fibras, algumas até elásticas, tecidos mineralizados e pigmentos. Muitas vezes, o aspeto das células ao microscópio reflete a função que elas executam. Queres saber como? Vem descobrir.

 

14 – Vem avaliar a frescura e salubridade dos ovos!

Responsável: Cristina Maria Saraiva
Descrição da atividade: O ovo é um alimento de origem animal, perecível e que tem uma estrutura muito sui generis. A avaliação das características de frescura e de salubridade é essencial para garantir que apenas chegam ao consumidor ovos seguros. O ovo é um alimento nutricionalmente rico e que tem sido a base de muitas dietas ao longo dos anos. Aprender a identificar alterações das características de frescura durante o armazenamento e saber distinguir se um ovo está próprio para consumo humano ou se deve ser encaminhado para a indústria alimentar ou não alimentar é fundamental no âmbito da defesa da segurança alimentar. Nesta atividade pretende-se demonstrar aquelas que são as características de um ovo fresco e de um ovo envelhecido, de um ovo putrefacto ou insalubre, utilizando métodos laboratoriais de execução rápida.

 

15 – O Mundo Fantástico e Perigoso dos Parasitas

Responsável: Ana Patrícia Lopes
Descrição da atividade: Vem conhecer grandes e pequenos parasitas como piolhos, carraças, ténias, nematodes (“lombrigas”) e protozoários que vivem no corpo dos animais e que dependem destes para sobreviverem! Será realizada uma introdução teórica, com apresentação e descrição dos principais parasitas que infetam os animais domésticos, e posterior observação, à lupa ou ao microscópio, de parasitas incluindo helmintes, artrópodes e protozoários.

 

16 – Sabias que a água pode ser um veículo de transmissão de doenças? Vem descobrir.

Responsável: Maria José Saavedra
Descrição da atividade: Desde o tempo do império romano que a água pode ser um veículo de agentes infecciosos que causam doenças no Homem e nos Animais, com grande relevância para a saúde pública. Muitos agentes infeciosos sobrevivem na água podendo ser veiculados pelas várias formas de utilização desta: água para consumo, água para fins recreativos, água para suporte da vida aquícola, água destinada a rega, etc. Será realizada uma introdução teórica, com apresentação e descrição da metodologia para análise bacteriológica da água para consumo humano. Posteriormente, serão analisadas amostras e discutidos os resultados do protocolo experimental. Pretende-se que os alunos venham conhecer o mundo microbiano com a visualização em diferentes meios de cultura de colónias bacterianas, bioindicadores da qualidade da água.

 

Departamento de Zootecnia

17 – Vem conhecer o exterior dos animais

Responsável: Virgínia Santos
Descrição da atividade: O exterior dos animais é composto por várias regiões, sabes quais são? Imagina desenhar essas regiões no teu corpo… Vem aprender a medir animais usando a fita métrica e o hipómetro

 

18 – Biodiversidade animal: conheces as raças portuguesas?

Responsável: Virgínia Santos
Descrição da atividade: O participante é convidado a fazer uma viagem virtual por Portugal Continental e Ilhas e conhecer as raças portuguesas, com destaque para as raças de cães, cavalos, aves, bovinos e ovinos. Por que razão existem tantas raças de animais? De onde vieram e como cá chegaram? Quais são as diferenças que existem entre as raças? Traz o teu telemóvel e vem fazer esta viagem com os teus amigos.

 

19 – Esqueleto dos animais – “Bichos nus”

Responsável: Carlos Venâncio
Descrição da atividade: O principal objetivo desta atividade é explorar a diversidade existente na estrutura óssea que constitui o suporte do corpo das espécies domésticas. Serão também abordadas particularidades de espécies selvagens representativas, incluindo aves e repteis. Os participantes iniciam a atividade com uma visita guiada ao museu de Anatomia Animal e posteriormente serão confrontados com desafios de reconhecimento e montagem de partes de esqueletos de diversas espécies (tipo puzzles). Partindo da relação que existe entre a estrutura do esqueleto e o modo de vida do animal, serão enunciados vários aspetos de características evolutivas, funcionais e comportamentais.

 

20 – A rainha das abelhas – tu podes escolher quem fará parte da dinastia

Responsável: Paulo Almeida
Descrição da atividade: A sociedade matriarcal das abelhas está estruturada em castas – obreiras, zângãos e rainha, cada uma com incumbências próprias. Apesar do papel determinante da rainha são as obreiras que determinam muitas das atividades da colónia, incluído quando e quem será a próxima rainha. Contudo, cabe ao apicultor controlar a colónia para que ela se desenvolva de forma adequada e produza o tão apreciado mel. Nesta atividade promove-se a oportunidade de ser apicultor por um instante, de visualizar as castas numa colmeia de observação e aprender como se levam as abelhas a criar novas rainhas. Com sorte poder-se-á assistir ao nascimento de algumas.

 

21 – Onde está o açúcar? Uma resposta difícil para diabéticos e não-diabéticos

Responsável: Teresa Rangel
Descrição da atividade: As experiências propostas visam capacitar os participantes para detetar hidratos de carbono e mostrar os problemas que os indivíduos diabéticos, em particular, e não-diabéticos, mas que se preocupam com uma alimentação saudável, enfrentam diariamente. O foco incide sobre o problema da diabetes, da obesidade e os cuidados na alimentação.

 

22 – Farm Game

Responsável: Victor Pinheiro
Descrição da atividade: O participante é convidado a conhecer os animais, a forma de os tratar, a sua alimentação, os locais para o seu alojamento e as suas produções. Haverá uma visita à nossa Quinta, trabalharemos com modelos animais. Esta visita e conhecimento dos modelos serão importantes para a realização do jogo, que terá direito a classificação e atribuição de diplomas.

 

23 – Farm Ville

Responsável: Divanildo Monteiro
Descrição da atividade: O participante é convidado a efetuar um jogo após conhecer os animais, a forma de os tratar, a sua alimentação, os locais para o seu alojamento e as suas produções, numa visita à nossa Quinta e no conhecimento de modelos de animais. O jogo será realizado em equipas e os vencedores terão direito à atribuição de diplomas e ficarão padrinhos de alguns dos nossos animais.

 

Escola de Ciências Humanas e Sociais

Departamento de Economia, Sociologia e Gestão

24 – Powerfull Minds – Economia e Gestão

Responsável: Lina Gomes
Descrição da atividade: Apresentação das áreas de Economia e Gestão com jogos de grupo no exterior e interior dos edifícios, jogos de simulação e visionamento de filmes.

 

Escola de Ciências e Tecnologia

Departamento Engenharias

25 – A Olimpíada da Segurança

Responsável: Cristina Reis
Descrição da atividade: Esta ação visa alertar para os problemas de higiene e segurança no nosso dia-a-dia, tendo em conta os riscos com que nos deparamos na nossa vida diária. Muitas vezes nem nos apercebemos, mas os riscos existem quer em pequenos gestos, quer em pequenas tarefas. Se se tiver conhecimento desses comportamentos errados poderão ser evitados pequenos acidentes domésticos. Salienta-se para o facto de os acidentes domésticos poderem ter consequências lesivas graves. Daí a importância do conhecimento dos riscos e das medidas preventivas a implementar.

 

Departamento de Matemática

26 – Diverte-te com a Matemática

Responsável: Sandra Dias
Descrição da atividade: O Origami é uma técnica de origem japonesa que consiste na dobragem de papel. Apenas uma sequência adequada de dobras permite criar o objeto desejado. Parece fácil? Talvez, mas não esqueças que não podes usar tesoura nem cola! Apenas papel, imaginação e alguma ciência!

 

27 – A sequência de Fibonacci na natureza

Responsável: Paula Catarino
Descrição da atividade: A Matemática possui uma vasta e constante aplicabilidade a tudo o que nos rodeia. A sequência de Fibonacci é uma sequência matemática que pode ser “encontrada” não só na natureza mas também na música, arte, arquitetura, etc. Neste contexto propomos algumas tarefas, nas quais os participantes verifiquem a presença da matemática no seu quotidiano e a compreendam significativamente. Numa das tarefas tentaremos demonstrar com papel, lápis, régua e tesoura que 64=65. Acreditam! Mas afinal é apenas um sofisma…

 

28 – Matemática na Economia do dia a dia

Responsável: Eva Morais
Descrição da atividade: A Matemática é usada em vários contextos na vida real, em particular na gestão financeira do dia a dia. Nesta atividade os participantes formam equipas que, com um jogo online, passatempos e um concurso de conhecimentos, competem para mostrarem que são os melhores quando o objetivo é encontrar a solução de problemas que envolvem conceitos de Economia, como juros, orçamentos, taxas, saldos, etc. Para poupar e ganhar dinheiro… contas é preciso fazer primeiro!

 

29 – LIGA-te à Internet e torna-te um seguidor da Matemática

Responsável: Ana Paula Aires
Descrição da atividade: Desenvolvimento de atividades de pesquisa na internet com base numa tarefa que envolve conteúdos de matemática e de história da matemática. Pretende-se que os participantes aprendam a procurar, selecionar e tratar informação relevante no âmbito da matemática, recorrendo à internet.

 

30 – Da avenida dos dados à rua do conhecimento!

Responsável: Ana Paula Teixeira
Descrição da atividade: Diariamente informação é bombardeada por todo o lado, pelo que saber recolher dados, tratá-los e analisá-los é muito importante para o dia a dia e até para a vida profissional futura. Não só para percebermos melhor o que nos rodeia, mas também para transmitirmos a informação aos outros de modo a que a entendam facilmente. Assim, desafiamos-te a vir tratar dados participando em jogos e atividades divertidas que preparamos para ti! Vem – se puderes traz o telemóvel – e vais ver que te vais divertir na avenida dos dados!

 

31 – LegoMat

Responsável: Luís Roçadas
Descrição da atividade: Utilizando peças de Lego construiremos vários modelos: um coração de rodas dentadas, uma máquina de desenho, uma catapulta e um cofre. Abordaremos o processo de construção e o modo de funcionamento, procurando perceber os fundamentos matemáticos que estão por trás do seu funcionamento.

 

32 – Aprende Jogando

Responsável: Hélder Sousa
Descrição da atividade: Jogar é uma atividade que permite aprender socializando e treinando o raciocínio lógico de forma divertida. Os jogos de tabuleiro modernos permitem desenvolver aptidões em vários domínios, através das suas variadas mecânicas de jogo. Vem jogar e conviver com os teus colegas.

 

Departamento de Física

33 – Ciência ou magia

Responsável: Armando Soares
Descrição da atividade: Os participantes terão a oportunidade de observar o funcionamento de algumas experiências de Física com recurso a materiais de baixo custo, que poderão ser facilmente reproduzidas em casa. Algumas destas experiências confundem-se com truques de magia! Tudo isto usando água, ar, fogo e luz, alguns recipientes e materiais de uso quotidiano.

 

34 – Vibrações e ondas

Responsável: Marco Naia
Descrição da atividade: Nesta atividade cada aluno terá oportunidade de observar as características principias das oscilações e distinguir alguns tipos de movimentos oscilatórios. Poderá depois ver e medir os efeitos da propagação de uma vibração e irá visualizar os modos normais de oscilação de um sistema. Utilizaremos osciladores simples e acoplado, e diferentes meios para propagar essas oscilações. Observaremos as características dessa propagação na água com a tina de ondas. Distinguiremos as ondas progressivas e ondas estacionárias com a tina de ondas. Para ouvir, visualizar e generalizar, visualizar e ouvir as ondas usaremos o altifalante, o osciloscópio e o computador.

 

35 – Ciência de fazer em casa

Responsável: Armando Soares
Descrição da atividade: Nesta atividade os alunos têm a oportunidade de presenciar e realizar um conjunto de experiências que podem ser facilmente reproduzidas em casa. Os participantes terão também a oportunidade de entrarem dentro de uma bolha de sabão. As experiências são de caráter lúdico e envolvem princípios científicos que estão na base das engenharias.

 

36 – Ruído e música!

Responsável: Marco Naia
Descrição da atividade: Nesta atividade os alunos têm a oportunidade de observar efeitos do fenómeno acústico e formas de visualizar e caracterizar o som. Usando fontes de emissão de sons como jogo poderão observar as suas características. No final da atividade cada um poderá ainda observar várias características da própria voz. Construiremos alguns instrumentos sonoros a partir de materiais reciclados e as experiências terão sempre um caráter lúdico, embora se tente evidenciar os princípios científicos utilizados.

 

37 – Luz e som: amigos e comparsas

Responsável: Francisco Marinho
Descrição da atividade: No dia-a-dia utilizamos recorrentemente os nossos sentidos para as mais diversas escolhas que fazemos mesmo que disso não tenhamos consciência. A visão e a audição são dois dos nossos sentidos a que de barato damos por garantidos. Nesta atividade propomos aos jovens o uso de lasers, sonares e programas para realizarem uma pequena experiência onde poderão perceber e simular o desafio constante que o nosso cérebro executa ao combinar luz e som para a tomada de decisões.

 

Escola de Ciências da Vida e do Ambiente

Departamento de Biologia e Ambiente

38 – Chocolates…uma doce tentação

Responsável: Alice Vilela
Descrição da atividade: Breve descrição da produção de chocolate, seguida de avaliação sensorial de vários tipos de chocolate.

 

39 – Como e porque respiram as células?

Responsável e participantes: Francisco Peixoto
Descrição da atividade: Os jovens investigadores terão oportunidade de aprender alguns procedimentos de fracionamento celular e respirometria de alta resolução. Serão estudados diferentes órgãos para se avaliar a performance respiratória das diferentes células e assim relacionar-se essa performance respiratória com a necessidade energética da célula, tentado desta forma estimular a análise e o espírito critico do jovem investigador.

 

40 – Vem conhecer a composição do teu corpo

Responsável: Carla Gonçalves
Descrição da atividade: No início desta atividade será realizado um pequeno enquadramento teórico sobre os princípios da avaliação da composição corporal e sobre os equipamentos de antropometria (balança, estadiómetro, fita métrica, lipocalibrador e balança de bioimpedância). Os participantes irão utilizar alguns equipamentos de antropometria e será ainda determinada a composição corporal dos participantes interessados, ficando a conhecer quanto do seu corpo é massa gorda, massa muscular e água.

 

41 – Os efeitos da poluição nos peixes (incluindo os microplásticos)

Responsável: João Carrola
Descrição da atividade: Importância dos peixes nos ecossistemas e na alimentação humana. Técnicas de captura de peixes. Observação da morfologia e identificação dos peixes capturados e sua importância nos ecossistemas. Estudo do efeito da poluição utilizando peixes. Importância na Toxicologia Alimentar. Observação de peixes no Biotério de Organismos aquáticos (Geociências). Sedação e anestesia. Regras gerais de Ética e bem-estar em peixes e outros organismos aquáticos (politica dos 3Rs). Registo de medidas do peixe após a sedação do peixe. Educação ambiental e conservação da natureza.

 

42 – O vídeo na investigação e na conservação da natureza

Responsável: João Carrola
Descrição da atividade: Importância do vídeo na investigação nas ciências biológicas e na conservação da vida selvagem (plantas e animais). Principais técnicas e equipamento de filmagem e utilização de drones. Saída de campo durante a qual os participantes poderão participar e ver como se pode filmar gráfica no Campus da UTAD, um local rico em biodiversidade (tanto flora como fauna, nomeadamente borboletas e outros insetos), numa ótica da conservação da natureza e biodiversidade, mas também com uma preocupação de educação ambiental.

 

43 – A fotografia na investigação e na conservação da natureza

Responsável: João Carrola
Descrição da atividade: Importância da fotografia na investigação nas ciências biológicas e na conservação da vida selvagem (plantas e animais). Principais funções da máquina fotográfica e da sua utilização (composição, luz, etc). Saída de campo durante a qual os alparticipantes poderão praticar a técnica fotográfica no Campus da UTAD, com máquinas fotográficas, um local rico em biodiversidade (tanto flora como fauna, nomeadamente borboletas e outros insetos), numa ótica de fotografia de natureza para educação ambiental e para a sua conservação.

 

44 – Vamos “caçar” micróbios

Responsável: Ana Sampaio
Descrição da atividade: Introduzir o conceito de ubiquidade.
Pesquisar ou “caçar” microrganismos em ambientes variados. Recolha de amostras no exterior e sua preparação em laboratório, utilizando equipamentos como lupas, microscópios. Identificação dos principais grupos de microrganismos: bactéria, fungos filamentosos, leveduras, protozoários e microalgas. Como cultivar microrganismos: métodos de esterilização e meios de cultura.

 

45 – Mãos à terra

Responsável: Marta Reboredo
Descrição da atividade: Vamos deitar “Mãos à terra” para desvendar os segredos do solo. O que esconde? Como funciona? Para que serve? Vem meter “Mãos à terra” e descobrir!
Nesta atividade os participantes terão oportunidade, através de várias estações experimentais simples e lúdicas, de contactar com elementos que fazem parte da constituição do solo como – minerais, areia, argilas, plantas, raízes, sementes, animais, de modo a ampliar as suas capacidades de observação, criatividade, formulação de hipóteses e explicação da natureza.

 

46 – Os microrganismos: amigos ou inimigos?

Responsável: António Inês
Descrição da atividade: Os microrganismos amigos são usados: (i) Na indústria alimentar e de bebidas: microrganismos responsáveis pela produção de pão, cerveja, vinho, iogurte, vinagre, queijo Roquefort; (ii) Probióticos; (iii) No fabrico de medicamentos: microrganismos produtores de antibióticos, vacinas, vitaminas, insulina; (iv) Na agricultura e no ambiente: microrganismos responsáveis pela decomposição da matéria orgânica, fixação de azoto atmosférico, biorremediação. Microrganismos inimigos, na saúde: Bactérias responsáveis por doenças de origem alimentar (intoxicações e infeções alimentares), por exemplo Clostridium botulinum, Salmonella, Escherichia coli; Fungos produtores de toxinas, vírus e parasitas transmitidos pela ingestão de alimentos. Observação de alguns alimentos e microrganismos responsáveis pela sua produção e deterioração. Realização de preparações a fresco de fungos filamentosos (bolores), leveduras e bactérias para observações ao microscópio.

 

47 – Vamos tirar impressões digitais das folhas!

Responsável: Berta Gonçalves
Descrição da atividade: Os Investigadores Juniores terão a oportunidade de realizar um peddy-paper para recolher diferentes tipos de folhas no Jardim Botânico da UTAD. Já no laboratório, irão tirar impressões digitais das folhas e, com ajuda de microscópios, irão descobrir a morfologia das minúsculas “boquinhas”, chamadas estomas, por onde as plantas libertam oxigénio para a nossa respiração e assimilam dióxido de carbono para o seu crescimento. Os investigadores TOP ficarão a conhecer a importância destas estruturas para a vida da planta e para todos nós!

 

48 – Frutologia – a ciência dos frutos

Responsável: Eunice Bacelar
Descrição da atividade: Ao longo do processo evolutivo as plantas desenvolveram vários tipos de frutos e diversas estratégias para a dispersão das suas sementes. Os frutos são classificados com base na sua estrutura, na deiscência (libertação ou não das sementes na maturação), no número de sementes e na consistência dos seus tecidos. Alguns são carnudos, como a baga do tomate, a drupa da cereja, e outros são secos como os aquénios do girassol, a vagem do feijoeiro ou a síliqua da couve. Sabes por exemplo que no morango a parte vermelha comestível é, na verdade, o recetáculo floral desenvolvido, sendo os frutos, as pequenas estruturas incluídas nele?

 

Departamento de Genética e Biotecnologia

49 – Porque somos parecidos com os nossos pais? Vem saber a resposta!

Responsável: Isabel Gaivão
Descrição da atividade: Os alunos irão descobrir a resposta a esta pergunta usando a Drosófila como modelo, observando células e cromossomas de espécies animais e vegetais e manipulando o ADN em laboratório. Os alunos serão elucidados para a importância da Genética no mundo atual.

 

50 – Vem fazer um jardim num copo

Responsável: Ana Lúcia Sintra
Descrição da atividade: Vamos aprender a multiplicar plantas dentro de um copo. Ver como se fazem os meios de cultura, colher plantas no campo, desinfeta-las e instala-las em cultura, ver como formam raízes e como podem passar para terra.

 

51 – Vamos construir uma horta numa garrafinha

Responsável: Fernanda Leal
Descrição da atividade: Vamos aprender a multiplicar plantas aromáticas dentro de uma garrafa. Ver como se fazem os meios de cultura, aprender a forma de trabalhar em condições de assepsia, colher plantas no campo, desinfeta-las e instala-las em cultura. Haverá ainda oportunidade de observar as diferentes fases da micropropagação.

 

Departamento de Química

52 – LIGA-te à Química do teu dia-a-dia

Responsável:  Lucinda Reis
Descrição da atividade: A Química está presente no teu dia-a-dia sem que tenhas consciência disso. Num conjunto de atividades experimentais, em que usaremos essencialmente produtos conhecidos do teu do dia-a-dia, vais ter oportunidade de te divertires e de te ligares à Química.

 

53 – À descoberta da Química da Vida

Responsável: Cristina Oliveira
Descrição da atividade: A química da vida é conhecida como Bioquímica. É a partir das reações químicas entre moléculas inanimadas que surge a vida e se mantém em vida um organismo. A bioquímica tem aplicações muitíssimos importantes para a saúde humana (o estudo de mecanismos como o da respiração, digestão e transmissão de impulsos nervosos, permitiu descobrir a causa de numerosas doenças), e tem ainda implicações na indústria alimentar (compreender a composição e propriedades dos alimentos e as reações que sofrem durante o seu processamento e armazenamento). Nesta atividade vais ter a oportunidade de realizar experiências que te vão permitir conhecer um pouco melhor o maravilhoso mundo dos materiais biológicos, extraindo-os de produtos alimentares e estudando alguns fatores que condicionam a sua atividade biológica.

 

54 – Os pequenos cientistas

Responsável:  Maria Cristina Antunes
Descrição da atividade: Sabias que tudo à nossa volta é Química? E que tu podes fazer experiências de Química em casa? Então vem aprender connosco como fazê-las!
Depois… …Tu serás o cientista que ensina a Química à família e amigos!

 

55 – Pegajoso e viscoso mas gostoso

Responsável:  Ana Margarida Ferreira
Descrição da atividade: Imagina que a tua cozinha se transforma num laboratório de brincar! Imagina que os ovos ficam azuis aos quadradinhos ou às riscas ou com um 😀 ! Imagina que fazes uma gosma com gomas na forma de ursinhos! E se fizeres pipocas coloridas! E para finalizar um GELADO com….. SURPRESA! E vais ter que comer tudo!

 

56 – A Magia da Química

Responsável:  Rosa Rego
Descrição da atividade: Estás de férias mais uma vez e precisas de te divertir! Queres fazer uma pequena viagem inicial pela magia da Química? Vem e transforma-te num pequeno cientista por umas horas! Preparámos um conjunto de atividades que farás com as tuas próprias mãos e no fim terás uma surpresa que te vai deixar bem fresquinho! Estás curioso? Aceita o nosso desafio e vem fazer Ciência!

 

Escola Superior de Saúde

57 – Diverte-te aprendendo sobre alimentação saudável

Responsável: Fátima Cardoso
Descrição da atividade: Frequentemente ouvimos dizer que “somos o que comemos”, no sentido de apontar a forte influência que a alimentação pode ter na nossa saúde. Pretende-se fazer uma breve exposição teórica sobre a importância de uma alimentação saudável, complementada a partir da realização de jogos e atividades práticas: Roleta “Alimentação saudável”; experiência de criar uma ementa de lanche saudável.

 

58 – Prevenção do Bullying em contexto escolar: a importância da formação/intervenção do grupo de pares

Responsável: Ana Maria Romano
Descrição da atividade: O Bullying é um fenómeno psicossocial e multidimensional, que se pode manifestar através de vários comportamentos dos alunos tais como indisciplina na sala de aula (desobediência, desafio à autoridade do professor, violência entre alunos dentro da sala de aula), comportamentos antissociais e delinquentes (atos de violência contra pessoas e ou bens patrimoniais do espaço escolar que infringem as normas legais, exemplos pequenos roubos e vandalismo), e violência entre pares, (fenómeno de violência interpessoal geralmente são da mesma turma e faixa etária). Esta atividade sobre a prevenção de comportamentos de bullying em contexto escolar pretende contribuir para que os adolescentes se consciencializem de que na sua escola, e no seu grupo de pares podem ter um papel de proximidade, ativo e relevante na prevenção/ deteção precoce de sinais de alerta para ajudar a resolver este problema bullying.

 

59 – Conhece-te melhor não stresses …Relaxa

Responsável: José Manuel Dias
Descrição da atividade: O stresse é uma das situações mais complexas do século XXI, constituindo um desafio muito grande no sentido da sua identificação, quantificação e qualificação. A vulnerabilidade ao stresse representa um processo multifacetado que implica diferentes sistemas de interação no ser humano. Cada ser humano necessita de ter um conhecimento mais profundo de si próprio, para ultrapassar as situações e os fatores geradores de stresse. Pretendemos com esta atividade conscencializar os estudantes para o fenómeno stresse, os diferentes tipos de personalidades, fatores e situações de conflito e/ou stresse bem como formas de o ultrapassar, nomeadamente as estratégias de coping: gestão de conflitos, gestão de tempo e técnicas de respiração e relaxamento.

 

60 – Sinais vitais: Avaliar e interpretar pode fazer a diferença entre a vida e a morte

Responsável: Carlos Almeida
Descrição da atividade: Os sinais vitais são medidas fisiológicas que nos permitem avaliar as funções corporais. Pretende-se fazer uma exposição teórica sobre a avaliação e interpretação, seguida de uma demonstração da avaliação dos 5 sinais vitais e de treino dos participantes, para aquisição de competências neste âmbito.

 

61 – Sex File… Tudo o que gostarias de saber sobre sexualidade responsável

Responsável: Maria José Santos
Descrição da atividade: A sexualidade é parte integrante da nossa vida e desenvolvimento. Todas as pessoas têm sentimentos sexuais, mas cada uma expressa-os de forma diferente e devemos respeitar essas diferenças. Se queres aprender sobre sexualidade sem tropeções, e responder às questões que te preocupam e interessam, dar-te-emos toda a informação de forma bem divertida e lúdica, para que a possas usar no momento certo. Algumas sugestões dos temas que podemos abordar: é fixe ser rapariga ou rapaz, o corpo e a mente em desenvolvimento, o corpo atraente e atraído e as faces sombrias da sexualidade…

 

62 – E se vires um engasgamento acontecer… se o coração de alguém parar de bater… Sabes o que fazer?

Responsável: Amâncio Carvalho
Descrição da atividade: Será criado um cenário de engasgamento de uma pessoa, de paragem cardiorrespiratória e chamada para o 112, sendo efetuada uma breve abordagem teórica com as principais causas de engasgamento e de paragem cardiorrespiratória e dos algoritmos de atuação. Pretende-se com esta atividade sensibilizar os participantes para a importância da atuação rápida e segura em situações de engasgamento e de paragem cardiorrespiratória e dotá-los de competências para intervir nestas situações. Será feita uma demonstração com recurso a um modelo anatómico, seguida de execução da manobra de Heimlich, Posição Lateral de Segurança (PLS) e da cadeia de sobrevivência pelos participantes.

 

SASUTAD – ACTIVEGYM

63 – ActiveGym – Active Circuit

Responsável: João Ribeiro
Descrição da atividade: Treino que combina a componente cardiovascular e de força com uma variedade de equipamentos de uma forma ordenada. Utiliza equipamentos de treino funcional, o que permite desenvolver a estabilidade e o equilíbrio.

 

64 – ActiveGym – Active Dance

Responsável: João Ribeiro
Descrição da atividade: É uma aula que combina as últimas tendências com a música mais badalada. É um treino coreografado extremamente divertido e energético, fácil de realizar para todas as pessoas. Nas aulas de DaceFit poderão ser encontrados diferentes ritmos como: Merengue, Salsa, Cumbia, Reggaeton, Latin Pop, Samba, Flamenco, Belly Dancing, Tango, Calypso, Cha-cha-cha.

 

Centro de Ciência de Vila Real

65 – De Olhos no Charco

Responsável: Nélia Brigas
Descrição da atividade: Os charcos são pequenas massas de água acumuladas no solo. São habitats muito importantes, mas pouco conhecidos e valorizados, que abrigam uma enorme biodiversidade. Algumas espécies, como os anfíbios, dependem deles para viver ou para se reproduzir e estão ameaçadas pela destruição destas pequenas massas de água. Assim, a atividade consiste na visita ao charco localizado no Centro de Ciência e posterior monitorização. Os alunos terão ainda oportunidade de observar à lupa binocular diversos organismos presentes neste habitat.